CONCURSO INOVAÇÃO NO SETOR PÚBLICO

4º Concurso

No ano de 1999, em sua 4ª Edição, foram inscritos 78 projetos e premiados 18. A lista não está em ordem de classificação

1º Lugar - Emissão de Certidão Negativa de débitos de tributos e contribuições federais, via internet

Genilmar Fontenelle Rodrigues
Ministério da Fazenda
Secretaria da Receita Federal
Coordenação Geral de Sistema de Arrecadação e Cobrança – COSAR
Anexo do Ministério da Fazenda, 2° andar, sala 224
61- 412 3238
genilmar@fazenda.gov.br
Brasília
78048-900.
Obter uma Certidão Negativa de Débitos de Tributos e Contribuições Federais da Pessoa Jurídica, até dezembro de 1997, implicava na presença do contribuinte em uma Delegacia da Receita Federal. Com a implantação do sistema certidão negativa na Internet isso mudou; o projeto foi desenvolvido, objetivando permitir que o contribuinte obtenha a Certidão Negativa sem a necessidade de deslocamento, propiciando-lhe maior conforto e economia financeira, conseqüentemente, diminuindo o fluxo de contribuintes às Unidades da SRF. Se o contribuinte está em dia com suas obrigações tributárias, é possível emiti-la via Internet, no site da SRF. A Certidão Negativa é imprescindível para que as empresas participem de licitações, vendam imóveis ou obtenham crédito bancário. Pode ficar a cargo da entidade que exige a certidão, verificar a situação fiscal do contribuinte na Internet.

2º lugar - Sistema de Cálculo de Acréscimos Legais - SICALC

Sistema de Cálculo de Acréscimos Legais – SICALC
Helder Luis Gondim Rocha
Ministério da Fazenda
Secretaria da Receita Federal
Coordenação Geral de Sistema de Arrecadação e Cobrança – COSAR
Anexo do Ministério da Fzenda, Ala B, Sala 202
helder@fazenda.gov.br
61- 412 3215
Brasília
Efetuar o cálculo dos acréscimos legais para uma determinada data, mediante o fornecimento dos dados do crédito tributário e/ou apurar o valor devedor ou credor, saldo, resultante da associação de pagamentos e créditos tributários. A aplicação visa facilitar e agilizar o atendimento ao público em geral e subsidiar os cálculos no acompanhamento de processos fiscais nas repartições da SRF. Minimizar o fluxo de pessoas a SRF, permitindo que qualquer usuário que tenha tributos já vencidos ou a vencer (quotas), possa utilizar o sistema, bastando para isso, efetuar uma baixa dos programas da Internet e realizar os seus próprios cálculos, gerando automaticamente o Documento de Arrecadação Federal – DARF para ser recolhido na rede arrecadora sem a necessidade de se dirigir à SRF.

3º lugar - Farol do Desenvolvimento Banco do Nordeste

Valdemar Barros Filho
Ministério da Fazenda
Banco do Nordeste do Brasil S.A.
Superintendência de Suporte Estratégico
Av. Paranjana, 5700, Bloco C-1 Superior, Passaré
85- 299 3073
valdemar@banconordeste.gov.br
Fortaleza 60740-000
Trata-se da implantação, nos 1.955 municípios do Nordeste, Norte de Minas Gerais e Norte do Espírito Santo, de um espaço de interlocução com representantes da sociedade, lideranças e instituições locais, utilizando-se conceitos tais como o de empresariamento, parceria, comprometimento comunitário, valorização da cultura e do potencial humano locais. São considerados desafios da atualidade, como a concorrência global, a premência de inserção da variável ambiental, de estruturação de cadeias produtivas, de implementação de processos de capacitação, de adoção do modelo de desenvolvimento local, com a transformação das vocações econômicas em práticas empresariais, o desenvolvimento da habilidade e postura negocial nos agentes produtivos e, em decorrência, o melhor aproveitamento dos recursos financeiros alocados. Concomitante ao impulso econômico, iniciado com a criação de Comitês como instâncias consultivas e deliberativas para o financiamento de organizações associativas, com visão de desenvolvimento sustentável, estão sendo discutidas e implementadas ações envolvendo educação, saúde, segurança, saneamento básico, infra-estrutura de estradas e de energia, conscientizando os atores locais da necessidade de sua participação e reforçando as vocações e aspectos culturais locais. Dessa forma, o Banco efetiva o seu compromisso social, partindo da transformação da base econômica de cada município para a promoção de melhores condições de vida e construção da cidadania.

4º lugar - Política de Materiais

Delson Luiz Martini
Ministério da Saúde
Grupo Hospitalar Conceição – GHC
Hospital Nossa Senhora da Conceição – S/A
Rua Francisco Trein, 596 – Cristo Redentor
51- 341 1401
ghcgplan@ghc.com.br
Porto Alegre 91350-200
O compromisso assumido pelo Grupo Hospitalar Conceição-GHC de oferecer atenção integral a saúde da população do Estado do Rio Grande do Sul, honrando os princípios preconizados pelo SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE – SUS, exigiu o desenvolvimento de ações que buscassem a racionalização dos recursos orçamentários/financeiros alocados, assegurando, desta maneira, o atendimento da gigantesca demanda que aporta à estas instituições. A nova política de materiais partiu da necessidade constatada ainda em 1997, de reduzir a fragilidade dos controles existentes nas áreas de aquisição guarda e distribuição de materiais em geral, cujos gastos mensais representavam o segundo maior item de despesa no atendimento do paciente. A ação iniciou com um diagnóstico do almoxarifado, onde foram observados os índices de cobertura, movimentação e de acuracidade dos estoques existentes. As metas definidas, como a redução de 30% dos estoques, a implantação dos pontos mínimo e máximo de reposição, e a implantação do Sistema “Registro de Preços” permitiu a redução dos estoques em 33%, considerando a data da implantação. Nesta área também foi implantado o sistema de mensuração da inflação interna, utilizando-se os índices de Laspeyres Paache, como mecanismo de avaliação de desempenho. Na área de compras, adotou-se instrumentos que permitiram a comparação do preço proposto em contratos novos com os preços praticados em contratos anteriores para produtos de mesma natureza. A medida resultou na economia de R$ 3.530.773,26 no período de 1998 e a previsão de R$ 143.191,86 para o período de 1999. Quanto a distribuição de materiais aos Serviços consumidores, adotou-se o Sistema Kanban que resultou na redução de 9,84% do consumo de materiais médicos e medicamentos.

5º lugar - CREDIAMIGO - Central de microcrédito do Nordeste

Maria Rita da Silva Valente
Ministério da Fazenda
Banco do Nordeste do Brasil S.A.
Gabinete da Presidência
Av. Paranjana, 5700, Bloco C1 – Passaré
85- 299 3050
rvalente@banconordeste.gov.br
Fortaleza
60740-000
As políticas de desenvolvimento consideram que um dos principais obstáculos para o crescimento dos microeempreendimentos é a falta de acesso às fontes de financiamento, principalmente àqueles emergidos como formas alternativas de ocupação e renda. Esses pequenos negócios, em sua maioria informais, vem apresentando níveis de alto crescimento em todo o País, em especial na região Nordeste, principalmente nos grandes centros urbanos, comprovada por pesquisas científicas realizadas. Considerando que o acesso dessa camada da população ao sistema bancário é difícil, devido ao baixo nível operacional, ao tamanho dos negócios e à qualidade ou inexistência de garantias, o Banco do Nordeste lança o Programa CrediAmigo com o objetivo de contribuir para o crescimento de microempresas, mediante a oferta de crédito para atividades produtivas e serviços de capacitação, de forma a garantir ao agente produtivo condições para ele gerir bem seus negócios, através da melhoria da competitividade e integração ao mercado globalizado. Dessa forma, o CrediAmigo permite fácil acesso a esse segmento da população marginalizada do sistema financeiro formal e que recorrem e dependem de agiotas e fornecedores que lhes cobram taxas de juros bem acima do mercado. Para atender esses agentes produtivos o CrediAmigo utiliza uma metodologia inovadora de concessão de crédito que permite a liberação dos recursos de forma ágil, desburocratizada e sem as garantias tradicionais exigidas, funcionando com grupos solidários, proporcionando uma maior democratização do crédito. Até jul/99 o CrediAmigo já atendeu a 121.444 cidadãos com financiamento na ordem de R$ 74,2 milhões.

6º lugar - S.I.C.V. - Sistema Integrado de Comunicação Visual

Luiz Carlos Metz
Ministério da Educação e do Desporto Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná – CEFET/PR
Departamento de Serviços Gerais – DESEG
Av. 7 de Setembro, 3165
41- 310 4446
Curitiba
80320-901
A necessidade de identificar os blocos e os ambientes de forma que os usuários internos e externos não tenham dificuldade de encontrar o que precisa. De forma clara e bem especificada mesmo que em alguns casos sejam usadas apenas siglas e números. Assim sendo a comunicação visual através de placas ficou dinâmica e de fácil compreensão.

7º lugar - O Sistema OMPS (Organizações Militares Prestadoras de Serviços) da Marinha

Instituição: Marinha do Brasil – Secretaria-Geral da Marinha
Endereço: Esplanada dos Ministérios, Bloco”N”, 6°Andar, Brasília, DF, CEP 70.055-900.
Telefone: (0XX – 61) 429-1132
Fax: (0XX – 61) 429-1138
E-mail : secom@sgm.mar.mil.br
Responsável: Almirante-de-Esquadra CarlosEdmundo de Lacerda Freire.
O Sistema OMPS tem como objetivo fomentar uma mudança cultural na Marinha, voltada para a apuração dos custos e ancorada no uso de modernas técnicas de gestão por resultados. É um processo contínuo e gradativo de gestão empreendedora que utiliza a contabilidade de custos como ferramenta de suporte, pautando-se no Plano de Contas do SIAFI, para apuração do custo na avaliação do patrimônio, para controle das operações de custo e para análise do custo para efeito de planejamento e tomada de decisão. É um processo transparente, que possibilita o controle social da gestão dois recursos públicos e, ao mesmo tempo, fornece aos dirigentes elementos concretos para a tomada de decisão.

8º lugar - Gerenciamento pela Qualid. Total - GQT no INSS do RS - Proj. Piloto em B. Gonçalves e Caxias do Sul

Mário Cesar Martins Fernandez
Ministério da Previdência e Assistência Social INSS
Superintendência Estadual no Rio Grande do Sul
Rua Jerônimo Coelho, 127 – 10° andar
51- 225 1068
Porto Alegre
A experiência por nós vivenciada no projeto piloto de Gerenciamento pela Qualidade Total, reforça positivamente a nossa convicção de que é possível implementar esta mudança de cultura no SERVIÇO PÚBLICO, expandindo o projeto, por etapas, em todo o país. Que esta mudança é centrada nas pessoas e que depende fundamentalmente do estabelecimento de uma VISÃO COMUM de Instituição, de uma liderança que conquiste o comprometimento dos servidores e que crie espaço para a valorização das pessoas e o reconhecimento aos resultados atingidos.

9º lugar - Projeto Banco de oportunidades para acesso às funções gerenciais

João Carlos Monteiro
Ministério da Fazenda
Caixa Econômica Federal GEARU/GEPES SBS, Q.04, Lote 3/4, 14° andar
61- 414 9124
joseanne.reis@caixa.gov.br
Brasília
70092-900

A CAIXA implanta através de um processo, denominado Banco de Oportunidades, uma nova estratégia de seleção, tendo como objetivo manter um sistema dinâmico e permanente de identificação e desenvolvimento de empregados com vistas ao provimento tempestivo e qualificado do primeiro nível de função gerencial no segmento negocial. Inicialmente, foi elaborado projeto com vistas a capacitar empregados para ingresso na carreira gerencial em todos os segmentos da Empresa, no entanto, para efeito de avaliação do processo como um todo, nos aspectos de custo/benefício, atendimento das demandas, foco direcionado ao negócio, nível de aproveitamento e satisfação do cliente, a implantação piloto contemplou, inicialmente, o cargo comissionado de Gerente de Agência.

10º lugar - Cidadão: uma nova realidade

Tomaz Soares Vieira
Ministério da Previdência e Assistência Social
INSS/Superintendência Estadual no Rio Grande do Sul
Gerência Regional do Seguro Social de Pelotas
Rua Barão de Butuy, 316, Centro
0532- 22 3015
Pelotas
96010-330

A educação que se inicia com a instrução formal, realizada nas escolas, afeta todas as áreas de nossas atividades, limitando fortemente o êxito que sempre se almeja. A Gerência Regional do Seguro Social de Pelotas/RS, através do seu Núcleo de Reabilitação Profissional, sente, como poucos, este problema, pois de nada adianta reabilitar o segurado para o trabalho, se paralelamente o mesmo não tiver a escolaridade básica, que o mercado de trabalho exige cada vez mais. Assim sendo, a baixa escolaridade, para não falarmos do analfabetismo, é o forte fator a restringir a possibilidade de emprego àquele que pretendemos devolver ao mercado de trabalho com capacidade de ocupar uma vaga. O Núcleo de Reabilitação Profissional abre suas portas, seus recursos técnicos e econômicos, faz parcerias e juntamente com seus reabilitados, entra na luta, fortalecendo o ensino formal, a fim de melhor capacitá-los para a retomada do emprego. Diríamos, sintetizando, que o projeto visa essencialmente unir a reabilitação profissional à melhoria da escolaridade. Trabalho + Educação = pessoa valorizada, com resultados significativos para o segurado e Instituição. Esta é a nossa contribuição ao esforço do Governo no sentido de através da educação valorizar o brasileiro; este sim, causa e objetivo de todas as nossas ações.

11º lugar - Sistema Matricial de Atividades

Gesner Oliveira
Ministério da Justiça
Conselho Administrativo da Defesa Econômica – CADE
61 218 3420
gesner@mj.gov.br
Esplanada dos Ministérios, BL T, Anexo II, sala 228
Brasília
70064-900
Tendo como objetivo a implementação de mecanismos voltados ao aperfeiçoamento das decisões do CADE e à garantia de maior eficiência no cumprimento das atribuições legais previstas na Lei 8.884/94, introduziu-se na agenda de trabalho do CADE a criação do SISTEMA MATRICIAL DE ATIVIDADES. As premissas básicas que nortearam os trabalhos foram: garantir transparência das decisões, segurança jurídica, integração e racionalização da estrutura, bem como incremento de produtividade. Nessas condições, com o intuito de organizar os trabalhos da Autarquia implantou-se um sistema matricial, com a formação de grupos de trabalhos interdisciplinares e por técnicos que atuam em diferentes áreas do CADE, cuja preocupação central foi criar um mecanismo que possibilitasse alcançar maior eficiência na utilização dos recursos humanos, materiais e financeiros disponíveis. O pleno funcionamento do SISTEMA é avaliado em reunião operacional, realizada semanalmente, quando são repassadas as diversas tarefas, com a participação de todos os servidores técnicos e administrativos (alguns em sistema de rodízio com outros colegas da mesma área), em que são repassados os temas sobre acompanhamento das decisões do CADE, agenda semana, previsão de pauta para as próximas sessões e ata das sessões anteriores, temas relevantes das sessões de julgamento, relatório anual, matriz de atividades, procuradoria, informação e documentação, fóruns, página na Internet e boletim estatístico. Criado desde 1996, o SISTEMA tem permitido uma eficácia e produtividade muito maiores nos trabalhos.

12º lugar - Negociação TRIPARTITE - Uma nova metodologia para normalização

Juarez Correia Barros Júnior
Ministério do Trabalho e Emprego
Secretaria de Inspeção do Trabalho
Departamento de Segurança e Saúde no trabalho
Esplanada dos Ministérios, Bloco F, Anexo, Ala B, sala 147 61- 317 6625
ssst@mte.gov.br
Brasília
70059-900
O início do processo de formação do arcabouço legal de segurança e medicina do trabalho foi marcado por forte influência do regime ditatorial – fim da década de 70. Com a consolidação da democracia no País e visando estabelecer uma legislação eficiente e eficaz em contribuir para a melhoria das condições e ambientes de trabalho, foi concebida, no início dos anos 90, uma nova metodologia para elaboração e revisão de normas na área de segurança e saúde no trabalho. Tal metodologia tem como princípio básico a adoção do sistema tripartite e paritário, com a participação de representações do governo, trabalhadores e empregadores, através de ampla negociação em todas as etapas do processo. De acordo com o novo procedimento foram elaboradas 9 (nove) Normas Regulamentadoras e, como resultado dessa inovação, temos assistido a um contínuo declínio do número de acidentes de trabalho nos respectivos setores ou atividades, ocasionado pelo comprometimento das partes envolvidas em melhorar as condições e ambientes de trabalho.

13º lugar - Construção - Construindo Segurança

Suzana Maria Marques
Ministério do Trabalho e Emprego
Sub Delegacia de Novo Hamburgo/RS
51 593 8044
Novo Hamburgo
O resumido número de fiscais da Subdelegacia do Trabalho e Emprego de Novo Hamburgo que atende cerca de cinqüenta mil estabelecimentos industriais, comerciais e de serviços, preocupados com o elevado número de acidentes graves e fatais que ocorriam na construção civil, em geral pelo descumprimento das normas de segurança e saúde do trabalhador. Sem condições humanas para fiscalizar todas as obras e ainda por sofrer pressões através de denúncias do Sindicato dos Trabalhadores, de jornais, das Promotorias Públicas, da Justiça, resolveram reunir as entidades interessadas: Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil, Sinduscon e a Fiscalização do Trabalho, para juntos encontrarem uma solução. Desta forma, foi elaborado um programa pró-segurança no trabalho com a participação de um número de empresas, onde todos fiscalizam cada item do programa de intenções, atribuindo notas e discutindo em reuniões posteriores. Superado os obstáculos iniciais, os resultados foram até inesperados, conseguindo-se redução drástica nos acidentes, não se verificando no ano de 1999 nenhum acidente incapacitante ou com morte nas empresas do programa, economia nos gastos para União e empresas, e a dignificação e valorização dos empregados, com o mesmo número de fiscais. Hoje a parceria já conta com a Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo e o CREA (Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura).

14º lugar - "Kit Detran"

Célia Yuriko Pereira de Souza
Ministério das Comunicações
Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos-ECT
Diretoria Regional da ECT em Minas Gerais
Rua Guajajaras, 40, 21° andar 31 249 2127
celiaypsouza@correios.com.br
Belo Horizonte
30180-100
Ser atendido no DETRAN de Minas Gerais era uma verdadeira operação de guerra. A complexidade de tarefas, a descentralização dos serviços, o mau atendimento, o despreparo era um grande problema. A população era mal atendida, gastavam-se horas nas filas. Com a entrada em vigor do novo Código de Trânsito Brasileiro, a demanda pelos serviços e os problemas aumentariam, caso não se tomasse alguma medida para melhorar o atendimento ao público usuário, dentro da filosofia de “comodidade ao cidadão”. A ECT/MG se posicionou como agente facilitador para o DETRAN, através da sua vasta rede de Agências , simplificando e agilizando o atendimento e as relações entre os cidadãos motoristas e o DETRAN , através do KIT DETRAN, que é oferecido em duas modalidades: KIT JARI, destinado ao cidadão que desejar entrar com recurso de multa junto à Junta Administrativa de Recursos de Infrações/DETRAN e KIT COMUNICAÇÕES, destinado ao cidadão que desejar efetuar atualização de dados do condutor (CNH), efetuar atualização do cadastro de veículo (CRLV) residência do proprietário, comunicar o real infrator de multa e comunicar a transferência de veículo.

15º lugar - Gestão da Informação

Marco Antonio Gomes da Costa
Ministério da Saúde
Fundação Oswaldo Cruz
Diretoria de Administração do Campus – DIRAC Av. Brasil, 4365
21 598 4272 r. 117
fiori@fiocruz.br
Rio de Janeiro
21045-900
Cada vez mais, a integração das partes componentes de um processo se impõe como vital, associada a necessidade de que as informações operacionais e gerenciais estejam disponíveis à tempo e à hora, para servirem de apoio à tomada de decisões gerenciais, com a eficácia e a velocidade que são exigidas nos dias de hoje. Neste trabalho, estão exemplificados como, através da integração dos processos, apoiados por um Sistema de Gestão da Informação, elimina-se trabalhos redundantes, facilita-se o preenchimento de documentos, aprimora-se o fluxo dos procedimentos, disponibilizando, em tempo real, informações sobre o andamento dos serviços. Este enfoque se aplica a qualquer serviço que envolva diversas áreas através da integração dos processos distribuídos ou implantando novos procedimentos setoriais apoiados por um suporte informatizado específico. Obedecendo às características particulares de cada área envolvida os Sistemas integrados ou setoriais promovem um perfeito controle dos processos distribuídos. A tomada de decisões é agilizada e tem perfeito embasamento nas informações que estão sempre disponíveis no momento em que se fizerem necessárias

16º lugar - BPPH - Banco de Preços Praticados na Área Hospitalar

Valter Stevanato Vuolo
Ministério da Saúde
Secretaria de Gestão de Investimentos em Saúde
61- 315 2605
vuolo@saude.gov.br
Brasília
O BPPH foi idealizado pelo Ministro José Serra no início de sua gestão em Abril de 1998, visando uma política de transparência na utilização dos recursos públicos e, também a busca da disponibilidade de mais um instrumento regulador de mercado. A implantação do sistema, abrange atualmente 32 hospitais federais, estaduais, municipais e 5 secretarias estaduais de saúde que alimentam o BPPH via INTERNET, permitindo contabilizar um benefício de R$ 1.373.687,00 (redução do custo entre 2 compras consecutivas) somente nos 5 hospitais fundadores do sistema, sendo que 50% desse valor pode-se atribuir ao uso do Banco de Preços. Este trabalho foi apresentado no CONIP99 – Congresso de Informática Pública 1999 – em nome do Ministério da Saúde, com a autorização emitida pelo Senhor Chefe de Gabinete do Ministro, Dr. Otávio Azevedo Mercadante. O BPPH foi desenvolvido e implantado no período de Maio de 1998 a Abril de 1999 como um projeto do Grupo Executivo de Ação Estratégica na Área Hospitalar, grupo este coordenado pelo Dr. Benedito Nicotero Filho, Assessor Especial do Ministro da Saúde. O BPPH no seu processo de institucionalização foi transferido do Gabinete do Ministro para a Secretaria de Gestão de Investimentos em Saúde. As Portarias do Ministro da Saúde que regulamentam o sistema são: Portaria 3.505 publicada em 28 de Agosto de 1998 cria a Câmara Técnica Consultiva do BPPH; Portaria 74 publicada em 02 de Fevereiro de 1999 institui a obrigatoriedade para hospitais públicos de mais de 320 leitos e a Portaria 481 publicada em 19 de Abril de 1999 transfere a subordinação da Câmara Técnica e do Sistema para a Secretaria de Gestão de Investimentos em Saúde. O sistema pode ser acessado na Home Page do Ministério da Saúde http://www.saude.gov.br, opção Banco de Preços e posteriormente Consulta ao Banco. As Notas Técnicas apresentam conceitos do sistema e a íntegra das Portarias. Este trabalho foi o ganhador do Prêmio CONIP99 de Excelência em Informática Pública

17º lugar - Programa "Oficinas Itinerantes: Ações pró-ativas em favor das atividades fins da UFPA"

Gina Barbosa Calzavara
Ministério da Educação e do Desporto
Universidade Federal do Pará
Prefeitura do Campus Universitário Rua Augusto Correa, 1 – Guamá
91- 211 1156
gina@amazon.com.br
Belém
66095-102
O Programa “Oficinas Itinerantes…”objetiva disponibilizar as instalações da Universidade Federal do Pará-UFPA e o potencial intelectual e de trabalho da comunidade universitária, representada por Professores, Alunos e Técnico-Administrativos, promovendo ações de Educação pelo Trabalho, através de cursos profissionalizantes, tais como : carpintaria,refrigeração, eletro-eletrônica, hidráulica, eletricidade e jardinagem , os quais serão acrescidos de outros conhecimentos que visem fortalecer a formação de jovens, sendo tais ações operacionalizadas em atendimento aos Programas desenvolvidos por Instituições Assistenciais , que buscam resgatar a cidadania de adolescentes em situação de risco social. Através da construção de parcerias, é priorizado o investimento na valorização da infra estrutura acadêmica da Instituição,destacando as salas de aula, bem como colaborar com a comunidade carente na estruturação de espaços educativos, com ações de recuperação e doação de materais permanentes, convertendo-se assim em benefícios à sociedade.A proposta em questão oferece, também, uma rica experiência de estágio para o acadêmico inserido no Programa, com um grande enfoque para a sensibilização e inserção nas questões sociais.

18º lugar - Projeto Estrada-Piloto

Francisco Wagner de Oliveira Lopes
Ministério da Educação e do Desporto
Escola Técnica Federal do Ceará
85- 288 3666
gdg@etfce.br
Fortaleza
A Escola Técnica Federal do Ceará, hoje Centro Federal de Educação Tecnológica, mantém entre seus cursos de nível médio, o de Estradas, por sinal, o mais antigo da instituição. Para uma boa formação dos alunos, são necessárias aulas práticas em campo, a fim de que os alunos possam dominar o saber fazer da construção de estradas, barragens, obras de terra etc. Idealizamos então a disciplina de Prática de Construção de Estradas, cujo conteúdo seria a execução de um projeto de uma obra real, em parceria com uma Prefeitura carente do interior cearense. A Escola entraria com o serviço técnico, que seria executado pelos alunos e seus professores, e a Prefeitura entraria com as despesas de hospedagem e alimentação dos envolvidos. No final, a Prefeitura receberia um projeto de uma estrada, barragem, praça pública etc, pronto para ser implementado, e os alunos teriam treinado de forma prática os conhecimentos adquiridos durante o curso. Nasceu então o Projeto Estrada-Pilôto realizado em Ibaretama-Ce no período de Abril a Junho de 98, que foi um grande sucesso para os alunos e as comunidades beneficiadas. Um segundo projeto também já foi realizado em Itapipoca-Ce no período de Janeiro a Maio de 99, e as conversações já estão bastante adiantadas para a realização de um terceiro projeto em Trairi-Ce.